A Reumatologia Portuguesa está de luto com o falecimento do Dr. Rui André Santos ex-Presidente da SPR e um dos seus destacados e queridos membros.

Até sempre Rui André

24-11-1961 – 10-02-2021

In Memoriam do nosso Amigo Rui André

A notícia chegou brusca e inesperada, violenta e inaceitável – o Rui André estava muito doente- e com a mesma rapidez e brutalidade evoluiu para o desfecho final, desde logo inevitável …

O primeiro sentimento que nos assola é de incredulidade, de revolta, de injustiça – ninguém merece partir assim, tão cedo, tão bruscamente, inapelavelmente, com uma vida de projectos e de realizações pessoais, familiares e profissionais para concretizar …

Invade-nos depois a nostalgia das memórias de tudo o que passámos juntos, de uma vida de momentos comuns a nível pessoal e familiar, das lutas e conquistas que fizemos a par na Reumatologia, dos laços inquebrantáveis de uma amizade de irmãos que não precisava de palavras nem de proximidade para se manter forte e eterna, e que assim se manterá agora para sempre …

Tempo para a tristeza de não termos tido um último abraço, uma despedida emotiva de amigos, mas o Rui quis fazer as coisas á sua maneira, e como espelho da sua postura na vida – com a descrição, a austeridade, a solidez e até a exigência pessoal que emprestava a todas as suas acções, e que coerentemente manteve até ao último capítulo.

Por fim, o desejo de prestar uma última homenagem ao Amigo e ao Reumatologista que agora parte. Ao Reumatologista brilhante clinicamente, e que deixou a sua marca institucional e de capacidade organizativa nos vários serviços por onde passou – primeiro no Hospital Militar Principal (onde chegou a altos cargos directivos), depois no Hospital Beatriz Ângelo, onde contribuiu para a criação do Serviço de Reumatologia, e por fim na consolidação da Reumatologia no Hospital Cuf, em especial na implementação da sua nova unidade Cuf Tejo.

Personalidade que ficará na história da Sociedade Portuguesa de Reumatologia como seu Presidente no biénio 2008-2010, no qual concretizou marcos relevantes para a nossa especialidade.

Mas penso que estarei a representar o sentimento de todo e cada um de nós, Reumatologistas, se expressar a mensagem de que, com a sua partida, fica no nosso coração sobretudo a falta do seu contacto, o vazio da sua Amizade. O Rui era acima de tudo um Amigo, um Companheiro, alguém que sabia combinar a exigência com a bonomia, o rigor com a bondade, a seriedade com um sorriso desconcertante … Quem teve o privilégio de privar com ele, saberá encontrar na sua história pessoal as marcas desta personalidade ímpar, deste verdadeiro Amigo, que vemos partir com a mágoa da injustiça que representa, e do tanto que todos perdemos com ela.

À Maria João, à Inês e ao Diogo, fica o testemunho da minha Amizade e Solidariedade, comungada por toda a reumatologia, e o pedido que esbatam a mágoa e a tristeza deste momento com o Orgulho e a Memória que o Rui André merece.

Para ti meu Amigo, meu Companheiro, meu Irmão, até sempre !

Augusto Faustino em nome da SPR

INFORMAÇÕES

 

 

Comunicado da Sociedade Portuguesa de Reumatologia sobre a

vacinação em doentes reumáticos

A pandemia COVID 19 veio revolucionar o mundo e a vida dos seus cidadãos. Teve um impacto negativo nos cuidados de saúde dos doentes com doenças crónicas, nas quais estão incluídos os doentes com doenças reumáticas.

O desenvolvimento das vacinas contra a COVID – 19 veio trazer esperança para o futuro, de retomarmos o nosso quotidiano. Contudo, também surgiram dúvidas e receios quanto à vacinação sobretudo nos doentes com doenças reumáticas inflamatórias e, em particular, naqueles que se encontram medicados com medicamentos imunossupressores que podem influenciar o seu sistema imune (ou seja, que fazem medicação que pode influenciar o sistema imune).

À semelhança de outras vacinas não vivas que constam do programa nacional de vacinação, as vacinas desenvolvidas contra a COVID-19 são vacinas não vivas que podem ser usadas com segurança pelos doentes com doenças reumáticas, incluindo aqueles que fazem medicação imunossupressora.

É recomendado que todos os doentes com doenças reumáticas, incluindo aqueles que fazem medicação imunossupressora, façam as vacinas contra a COVID-19, contra o Pneumococcus (vacina contra a pneumonia) e Influenza (vacina contra a gripe), de acordo com as indicações do seu médico.

A vacinação deve ocorrer de preferência, numa altura em que a doença reumática esteja estabilizada e se possível, antes de iniciar a medicação imunossupressora. Apesar da vacinação ser mais eficaz se o nível de imunossupressão for mais baixo, dado o risco de ocorrer uma agudização da doença, não é aconselhável reduzir a medicação antes da vacinação. Qualquer alteração da medicação só deve ser realizada sob orientação do seu reumatologista.

Esta informação é baseada no conhecimento atual da ciência, não havendo ainda dados mais específicos sobre o desempenho das vacinas contra a COVID em doentes com doenças reumáticas, incluindo aqueles que fazem medicação imunossupressora. Esta informação será atualizada à medida que forem surgindo novos dados.

Para mais informações ver por favor o site do EULAR:

https://www.eular.org/eular_sars_cov_2_vaccination_rmd_patients.cfm

O que é a Reumatologia?

A Reumatologia é a especialidade médica que se dedica ao tratamento das doenças que afectam as articulações, os ossos, os músculos, os tendões e os ligamentos, genericamente definidas como doenças reumáticas.

Um estudo recente (Estudo Epidemiológico de Doenças Reumáticas em Portugal – EpiReumaPt) mostrou que cerca de metade dos portugueses sofre de, pelo menos, uma doença reumática e que estas enfermidades são as que mais influenciam a nossa qualidade de vida.

SITE COM O APOIO DE: